Quando tiveres um tempinho, safa-me isto…

29 Jul

Olá Deus,

Quando Parares de salvar vidas num canto do mundo e ceifar mais uma leva delas noutro sítio qualquer, preciso que me Faças um favor.

Nada de especial. A sério, não vale a pena Parares de preparar esse furacão que vai dizimar toda uma região, nem tão pouco Precisas de parar de esconder a comida das crianças que morrem à fome em África.

Vá… eu sei que nem tudo é fixe no Teu trabalho mas alguém tem que o fazer. Afinal de contas, tudo é obra do Senhor. E nem tudo é assim tão divertido. Eu percebo. No meu trabalho também há merdas que me envergonham… quer dizer… não lanço pragas sobre o mundo, nem mato gente à maluca… nada que se compare a Ti ou ao daesh mas também faço coisas manhosas.

Mas vamos ao que interessa.

Quando Fizeres uma pausa aí das tuas coisas importantes, se puderes, agradecia que fizesses a minha filha perceber que QUANDO ESTOU A CONDUZIR, NÃO POSSO ESTAR CONSTANTEMENTE A VER O QUE RAIO VAI A FAZER NO BANCO DE TRÁS!!!

Pelo amor de Deu… Pelo Teu amor!!!!

Não aguento fazer nem mais um quilómetro sempre a ouvir: “Pai, olha aqui. Pai! Paaaai! Paiiiii, olha aqui esta dança que estou a fazer. Aprendi no hiphop. Pai! Pai! Paaaaaaiii!!! Não estás a ver nada!!! Olha aqui. Olha só uma vez para veres isto. Pai! Pai! Pai! Já podes olhar!? Olha agora, olha agora!! Aproveita agora e olha! Vê só isto que estou a fazer. É rápido! Pai! Paaaaaai!“.

Podes ajudar-me com isto? É importante para mim.

Obrigado.

Podia ser o Master Splinter. Uma pessoa sabe lá…

27 Jul

Ao chegar a casa, vejo um rato gigante na minha direcção. Daqueles tipo mini-cão. Bato com os pés no chão numa tentativa de lhe passar a mensagem: “Ei, pequeno roedor de dimensões anormais… cuidado! Humano perigosíssimo à tua frente e prestes a matar-te se não fugires imediatamente“.

Ignorou por completo e continuou a aproximar-se. Mudei eu de passeio.

Tentei disfarçar mas acho que não evitei um ou dois saltinhos, acompanhados por um esganiçanso contido.

E agora? Fui um homem ou fui um rato?

Em que ficamos!?

Factos relevantes sobre uma pessoa irrelevante #2

27 Jul

Nº 398 – Nunca, em toda a minha vida, vi alguém “cagar altamente” para uma ambulância. Nunca. O mundo está entregue à bicharada mas a verdade é que nunca presenciei tal acto.

Nº472 – Desistirei da Humanidade, no dia em que vir um gajo parado em frente a uma ambulância e, com aquele ar característico de quem se está bem a cagar, sacar do braço para fora da janela e fazer a combinação fatal “pirete + gesto de mão a sobrevoar o carro”, enquanto profere bem alto a frase: “Tá bem abelha… olha, passa por cima!! Tás com pressa!? Viésses mais cedo… Pó c@rªlho mazé!“.

Factos relevantes sobre uma pessoa irrelevante #1

27 Jul

No381 – Tenho medo de cães. Ainda mais se tiverem olhos claros.

O tipo de gordo que sou.

24 Jul

Aquela dor na barriga provocada por uma pele esticada, uma vez mais, para lá dos seus limites. A dificuldade em respirar provocada pela quantidade absurda de comida ingerida ao almoço e, pior ainda, pela quantidade ingerida ao jantar… quando o próprio corpo implorava que não se comesse durante três dias. O suor. A dor nas costas por estar há tanto tempo à mesa. Mais suor. Aquele suor atrás das orelhas que, aos poucos, se transforma num mar de gotas que nos cobre a testa e lentamente escorre para uma pequena cascata na ponta do nariz. Já vos falei das dores de barriga!?? Aquela sensação de enfartamento que temos nas últimas garfadas, comidas já em piloto automático e com o cérebro a gritar para o resto dos órgãos vitais: “Mayday! Mayday! We are going down!! Morte em 3, 2, 1…“.

No auge dessa agonia e a dois segundos da morte, uma voz: “Há petit gateau. Queres!?“.

Eu: Mas tu estás louca!? Nem pens.. OK. MAS SÓ UM!

Pode ser que me safe…

23 Jul

E na categoria “homem vs cama de criança“, a vitoria ficou do lado dos humanos.

De salientar ainda que também arrumei umas coisas nuns armários e estive a deitar tralhas fora.

Para terminar, fomos lanchar com os meus sogros. Ok… apesar de eu ser espectacular, eles também estiveram a tomar conta do puto.

Seja como for, hoje vou para o quadro de honra dos maridos, na condição de “marido do mês“. Vou aproveitar e sugerir umas strippers para o serão.

Pode ser que pegue…

Duque de Ávila, 46

23 Jul

Vim trabalhar para dentro daquelas janelas espelhadas, tinha acabado de ser pai pela primeira vez. Foi ali que conheci a minha mulher. Casei e fui pai pela segunda vez.

O terceiro, já nascerá nas novas instalações mas, admitamos, foi feito ali. Em cima da fotocopiadora. À bruta e a estragar documentação confidencial.

Ok, esta parte não foi bem assim.

Agora, o que não é mentira nenhuma, é que ao fim de 8 anos dentro daquelas janelas, as melhores recordações não têm nada a ver com noitadas no powerpoint, clientes perdidos, estratégias de merda, despedimentos e contratações. O que fica são as viagens a caminho das apresentações, as horas de almoço, as risadas sempre que não se está a fazer um charuto e tudo o que – por causa daquilo – se fez depois de se sair dali.

Tudo bem que é trabalho mas caraças… também é muito mais que isso.

Venha daí o próximo estaminé!

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 17.384 outros seguidores

%d bloggers like this: