Filhos e enteados.

11 Abr

Anúncios

Foco.

9 Abr

Comecei a escrever um mail importante.

Parei para ouvir uma conversa que não me dizia respeito. Depois abri o instagram e vi 50 stories que adicionaram zero à minha vida. Fiquei uns 5min a observar a forma como uma árvore abanava com a ventania que está lá fora. Limpei o teclado. Arranquei sobrancelhas enquanto olhava para o vazio. Fiquei um bom bocado a pensar na vida porque me lembrei do que tenho para tratar fora daqui. Meti conversa com um colega que passava. Dei conversa a outro. Lembrei-me que hoje joga o FCP e que seria fixe se o jogo desse na tv. Fui confirmar e dá. Fixe! Ouvi colegas a falar do trabalho delas e resolvi opinar, em vez de fazer o meu.

Percebi, pela milésima vez, o quão fácil é distrair-me de toda e qualquer merda que esteja a fazer. Não sei como eram os judeus na escola e no trabalho mas eu bem que precisava de passar uns tempos num campo de concentração. Concentração e meditação, que é outra coisa que nunca consegui fazer.

Para terminar, escrevi isto à pressa. Sim, à pressa porque há trabalho importante para se fazer e não tenho a vossa vida.

Vou terminar o mail.

Calões.

Fazer castelos é fixe mas…

7 Abr

Há quem visite castelos e HÁ QUEM FAÇA CASTELOS.

Mas visitar castelos é muito mais fixe, não se iludam. Por mais que estas frases tentem – o melhor que podem – valorizar as pequenas coisas da vida, não é à toa que se chamam “pequenas coisas”.

As “grandes coisas” são mais caras. E ser mais caro é uma merda porque deixa logo de fora uma quantidade de malta que tem que viver as “pequenas coisas” em casa, em vez de vivê-las num destino paradisíaco. Ou num destino qualquer que não esteja abrangido pela Carris ou a mais de dois depósitos de gasóleo.

E se estão a pensar contrapor este texto com aquela ladaínha de que as melhores coisas da vida não custam dinheiro; que o amor não tem preço; que é preciso faltar-nos alguma coisa para começarmos a dar valor ao que temos, etc… então é porque além de serem literais pra caraças, são uns chatos de primeira que também não foram curtir as pequenas coisas da vida para lado nenhum.

Chatos e pobres. Não há pior.

Façam como quiserem. Mas façam.

3 Abr

Antes de tudo, vou já avisando que já fiz a minha parte na ajuda para Moçambique e até tenho lá amigos por quem temi o pior, como tal, ganhei o direito a dizer tudo o que me apetecer. Não é assim que funciona!? Gays podem gozar com gays, pretos com pretos, deficientes com deficientes, quem ajuda com quem é ajudado e por aí fora, certo?

Enfim, ajudei como pude e só não mandei dinheiro porque já sei como é… os putos apanham-se com uns trocos e vai de torrar tudo em gelados. As crianças moçambicanas não são diferentes das outras.

Mas no meio desta onda de solidariedade, o que me intriga é não haver uma instituição que – em vez de roupa, medicamentos e comida – nos peça para mandarmos o que as pessoas sujeitas aquele tipo de calamidades precisam mesmo. Braçadeiras e flamingos insufláveis.

E antes de começarem já a espumar com a aparente insensibilidade desta afirmação, pensem comigo… se estivessem com água pelo pescoço, cansados e prestes a desistir de lutar, preferiam que vos atirassem umas calças de ganga usadas, uma palete de latas de atum ou um par de braçadeiras!? Preferiam continuar a nadar, vestidos com roupa da Zara da colecção passada, toda mal conjugada… ou descansar um bocado em cima de um flamingo gigante!? Ah pois é.

Emociono-me com esta mobilização solidária e acredito que, no fundo, ainda há gente muito boa (sinto que não devia ter usado a expressão “no fundo”) mas chateia-me que ninguém tenha a visão e a capacidade de antecipar futuras calamidades. Pensemos um pouco sobre isto. Se não concordarem, já sabem, estão a um MBWAY-919919939 (@unicef_portugal) de mostrar a vossa indignação e fazer a diferença.

Uma mão cheia.

24 Mar

O Hulk tem muita força e usa calças partidas. O Batman atira facas feitas de morcego. O Homem-Aranha voa pelo meio dos prédios porque está pendurado. O Wolverine tem unhas de faca. O DeadPool tem dois paus nas costas. O Homem-de-Ferro luta com o braço esticado e a mão levantada. O Venon tem uma roupa preta de homem-aranha e lambe as pessoas. O Capitão-América tem a letra do nome da mãe na testa. Os zombies são pessoas com a cara estragada. Os vampiros bebem sumo de tomate. Não se “apanha sol” porque o sol está muito alto e não conseguimos apanhá-lo. Os dinossauros são amigos mas o T-Rex morde.

Aprendi isto tudo com o meu “domeio”.

E faz hoje cinco anos que chegou ao pé da “maisvelha” e disse: “És tu que tens o coração do meu pai!? Então dá cá, porque a partir agora, metade disso é meu.”.

Um herói.

Parabéns Super-Mannyboy!

As crianças não mentem.

19 Mar

Se não têm a sorte suprema de me conhecer pessoalmente, o meu puto do meio faz as honras da casa e descreve-me em poucas palavras.

Chamo a vossa atenção para o alto e magro. Isso mesmo… alto. E magro! E escusam de vir com a conversa de que aos olhos dos miúdos parecemos todos altos, etc etc. Alto e magro! IN YOUR FACES, BITCHES!!!

Tirando isso, digamos apenas que trabalho no meu trabalho, porque também não vale a pena estar a contar-vos mais do que aquilo que precisam de saber. E parece que não gosto de doces (porque os enfardo sofregamente nas costas dele, para não dar maus exemplos).

Sou do melhor clube do mundo, brincalhão e bastante económico, uma vez que me basta uma salada com croquetes para estar bem. Isso e um copo de água.

Um homem de sonho, eu sei.

António, se não for por ela… fá-lo por mim.

18 Mar

Sabes António, tens que abrandar nas ganzas. Ela tem razão. Não faz sentido papares uma broca atrás da outra, principalmente quando têm visitas. Até porque não és daqueles gajos que ficam super divertidos e a rir de tudo. Aterras no sofá, ficas um autêntico mono e não passas de uma anémona a olhar para a tv, enquanto o resto da malta está a curtir. Não interages, não dizes nada de jeito, não fazes companhia e não foi para isso que ela se meteu a ir viver contigo.

Olha lá o namorado da coiso… fumou uma, ficou todo bem-disposto e esteve na boa toda a noite. Já tu… parecias uma preguiça à procura do Nemo, na planta artificial que aparentemente têm aí na sala. Ainda por cima, a miúda já te disse que não é daquelas chatas que obrigam a escolher entre “as ganzas ou eu”. Já te disse que até gosta de virar uma contigo de vez em quando mas isto assim também é demais.

E sabes o que é que também é demais!?

É A CHATA DA TUA NAMORADA QUERER FALAR DISTO SEMPRE NA VARANDA! PORRA… ATÉ EU ESTOU FARTO DOS SERMÕES DELA.

Em vez de estares aí a levar raspanetes de cabeça baixa, diz-lhe mas é para ir chatear-te para a cozinha e sempre aproveitas para matar aquele “ratinho” que a última broca te deixou. E beber água, porque estás todo “empalagado”. Ou então pára de fumar de uma vez por todas porque quem já não a aguenta sou eu. Que chata.

%d bloggers like this: