A três putos do paraíso.

12 Jul

Tirei esta semana para fazer uma pausa estratégica e ganhar fôlego para aquelas que serão, verdadeiramente, as férias grandes. Humm… com isto parece que vem aí viagem grande, mega relatos sobre destinos de sonho, fotos e vídeos dos caraças… NOP! Férias grandes só mesmo porque terão duas semanas e pisarei solo algarvio em parte delas. Não se iludam.

Continuando…

Tirei quatro dias para vir até Tróia. Casinha alugada em frente ao mar, toda direitinha e com as mariquices do costume. Piscina mesmo a pedi-las e com topping de Ana Malhoa (sim, pude partilhar a zona das espreguiçadeiras com seu rabo turbinado de bomba sexy latina urbano reaggaton tesuda papi chulo). Um calor como se quer nestes dias de calção e tshirt repetida à exaustão. Wifi para passar o serão no belo do “Netflix & Chill“. Uns tascos seleccionados para comer até ficar a odiar-me e um livrinho para adormecer na praia a cada tentativa de avançar algumas paginas. Tempo e cabeça para voltar a escrever. Escrever muito. Escrever à hora que apetece e não quando dá jeito.

Quatro dias de descanso e recuperação total! Quatro dias de puro prazer e… aaaah, esperem… pois é…

TROUXE OS PUTOS COMIGO!!

Esqueçam tudo o que disse lá atrás. Tirei quatro dias para contribuir à minha maneira para o desenvolvimento do turismo da região, para fazer a economia mexer e garantir alguns postos de trabalho. Quatro dias para “pai, pai, olha pai, óóó paaaaai… olha lá eu a fazer um pino debaixo de água… paaaaaai… vê lá se consigo nadar como as sereias“. Quatro dias de um dos putos com febre. Quatro dias de “aproveita que ele está debaixo do efeito do brufen e bora pra piscina“. Quatro dias de “Cocodiiiiiiiiilo! Cocodiloooo!!! Não filho, não podemos ir mexer na boia do senhor. Depois o pai compra-te uma. Não devias estar cheio de febre e de cama!?“. Quatro dias de sair mais cedo da praia porque está muito calor e o mainovo está a ficar com uma granda telha. Quatro dias de sair mais cedo da piscina porque ele tem que jantar e se não come, depois adormece, fica todo trocado e quem o atura somos nós. Quatro dias de praticamente zero fotos e um textinho escrito à 01h20, num colchão que devia ser para um dos putos mas como está doente talvez seja melhor dormir com a mãe e, adivinhem, quem ficou a acampar no chão de uma casa toda fixe!??

Mas atenção… se não tiverem três destes atrelados à vocês, continuo a achar que Tróia é uma maravilha para se passar quatros dias dos tais. Dos que falava no início desta sessão de auto-terapia.

Não destes.

E agora, adeus que me parece que o mainovo está a chorar! Aaaah… que relaxante! Vou voltar novo… XAU!


PS: Foto gamada da net porque, obviamente, ainda não tirei uma de jeito. Não dou créditos a quem a tirou porque não vi e ,sinceramente, já estou farto de tanta mariquice. Não queriam que fosse usada, não a tivessem posto na net. Agora, azar!!

Merdas mal resolvidas.

5 Jul

Pela milésima vez esta semana (ok… milésima vez só hoje), meti-me com uma colega que – por brincadeira(*) – costumo disputar com um colega meu. Na minha última investida, convidando-a para ir comigo ao Alive, arranjou uma forma bem directa de me dizer que “não era para o meu bico” e que já ia nesse dia… “com ele”. O meu opositor.

Ah ah ah ah ah ah… que engraçado que foi.
Ah ah ah…
Ah ah…
Ah…

Por momentos, senti-me na escola secundária. Estou a gozar. Não senti nada. Quer dizer… senti aquele cheiro do bar e quase que ouvi o barulho dos matraquilhos ao fundo da sala. E parece-me que estava a tocar Nirvana. Eu tinha umas Levis 501 que achava que me ficavam bem mas, aparentemente, não tão bem. De coração apertadinho, contive as lágrimas e quis matá-lo. O puto giro lá da escola, não o meu colega. Se bem que esse também merece falecer.

TOU A GOZAR!!! Não pensei nada disto.
Mas se calhar, devia fazer terapia.


*Por brincadeira porque a minha mulher lê isto.(**)

**E esta legenda também era uma brincadeira. Eu quero lá saber que a minha mulher leia isto. É tudo no gozo.(***)

***A sério. Não nos vamos chatear por causa disto, pois não!? Já basta tudo o resto.(****)

****Tudo o resto como quem diz. Não é que existam muitos motivos para discussões.(*****)

*****E se existissem, não era aqui que iríamos discuti-los. (******)

******OK. Preciso de terapia.

Viciado no jogo dos Dados

30 Jun

Estou há três dias sem dados no meu telemóvel. Coincidentemente, neste exacto período de tempo, a minha empresa ficou sem wifi por causa não sei do quê (coincidentemente ou não… porque estou convicto que Deus adora parar de salvar criancinhas em África e impedir outro tipo de calamidades, só para arranjar maneiras de atazanar a minha vida).

Ou seja, desde que saio de manhã que fico impossibilitado de contactar com o mundo real, o mundo onde tudo acontece, o mundo onde vivem as pessoas fixes que comem coisas espectaculares, o mundo onde toda a gente viaja para os sítios onde eu queria estar e fazem-no sempre com altos corpaços (sim, sigo pazadas de tesudas por essas redes sociais a fora… coisas cá minhas).

No fundo, estou completamente excluído da vida que interessa! E para ser sincero, nem sei bem que raio fazer com esta vida que me sobra. Vou fazer o quê!? Falar com as pessoas cara a cara!? Olhar-lhes nos olhos e habilitar-me a que respondam e comecem a falar comigo? Com um bocado de azar, ainda me dão palmadinhas nas costas ou outro tipo de contactos físicos completamente desnecessários. Mas estamos onde!? 1986!??

Ontem, quando dei por mim, estava a falar com a minha colega do lado, quando tudo o que preciso é ver as fotos dela em bikini no fim-de-semana ou aquele álbum “Verão 2010” em que ela estava bem mais boa (estes últimos sete anos foram tramados para ela, coitada…). Já esta manhã, vi-me na obrigação de “fazer tempo” para entrar num sítio e não me consegui lembrar de como é que se espera por alguma coisa, sem estar com a cabeça enfiada num telemóvel. Claro que fiquei na mesma a olhar para um ecrã onde nada acontecia, não fossem as outras pessoas querer falar sobre cenas.

Mas, curiosamente, nesta vida fora das redes, as outras pessoas parecem-me tão normais quanto eu. Ninguém está loucamente feliz com o que está a fazer, nem tão pouco está a fazer algo que mereça ser anunciado ao mundo. E também havia lá gordos. E gajas normais. E malta a comer pequenos-almoços que, pasmem-se, não passavam de sandes e galão. Onde já se viu viver uma vida assim!?

Ainda bem que logo à meia-noite volto a ter dados. Ainda por cima vou estar num sítio óptimo para meter inveja ao comum dos mortais, que não sonha porque raio ali estou.

Sinto que vai ser o meu momento Cinderella.
Perfeito para voltar a fingir uma vida.

Sabedoria do Dia

18 Jun

Amigas, hoje vamos falar sobre esses bikinis espectaculares da Cantê, Kai&Koa e outras marcas do género que, por esta altura, invadem o instagram em geral e a praia onde vou em particular (eu não vou em particular, vou com a familia toda a trás… Em particular costumo ir mas é… ok, vocês perceberam). Vou dar-vos uma dica valiosíssima e que, se forem espertas, vão usar para melhorar a vossa vida espectacularmente.

Escutem:

Se são gordas, mal feitonas e com essas peles a denunciarem uma vida inteira de rodagem nas piores pistas e nas mãos de péssimos condutores, não vai ser um bikini de 100€ que vos vai safar. Será apenas um pedaço de pano caro, a cobrir partes de um acidente que ninguém quer ver.

Por outro lado, se forem uns grandas canhões, daquelas boazonas que até custa parar de olhar e com as quais fazemos um amor gostoso naqueles 2seg em que dá para ficar a olhar sem parecer assustador, daquelas que até as nossas mulheres ficam a olhar enquanto mordem os lábios para segurar a vontade de fazer um amor lésbico bem gostosão (apesar de depois fingirem que nem tinham reparado, não fossemos nós estar especados a olhar para elas), se forem desse calibre… Então também não precisam de um bikini desses para nada! Tirando a vossa melhor amiga que vos vai dizer que é lindo e vos fica a matar, nenhum homem vai sequer reparar que estão a usar um bikini espectacular. Para todos nós, até poderiam estar a usar umas cuecas descartáveis de uma clínica ilegal ou uns pedaços de pano do pó rasgados em casa da vossa avó. Nós somos básicos. E vocês são boas. A partir desse momento, nada mais interessa além disso. Nós, básicos. Vocês, boas. Uga buga.

Conclusão:

– Não faz sentido gastar uma fortuna num bikini em nenhuma situação. Dica brutal não é!? Só por me lerem religiosamente e não terem desistido há uns parágrafos atrás, acabaram de poupar milhares de euros e uma vida inteira de falsas esperanças e expectativas defraudadas.

Dica:

– Se querem mesmo mudar as regras do jogo, peguem no dinheiro que pouparam com estas sábias palavras e ponham umas mamas. Bem generosas. Se já têm qualquer coisa, vejam lá se não está na hora de recauchutar isso. Se não têm nada, passam a ter. E se já têm um mega par de mamas e, ainda assim, essa vida continua a parecer um acidente na berma da autoestrada… ponham o dinheiro a render e usem os juros para pagar a acompanhantes masculinos. Há aí muito bom rapaz a precisar de ajuda para pagar os estudos e vocês merecem pinar com quem muito bem vos apetecer (e se o dinheiro for mesmo para os estudos, podem pedir as facturas dos livros e abatem no IRS no campo de educação. Ainda vão buscar mais algum. Por pouco que seja, sempre dá para um anão ou assim…).

E agora vão lá. O verão está à porta e ainda devem conseguir safar este ano.

De nada.

António, o “santo”.

13 Jun

Casamenteiro, não sei. Mas Santo António é seguramente matreiro. Era só um copo com um amigo, quem sabe uma sardinha para mais dois dedos de conversa. Meia-noite e meia, máximo dos máximos, estar em casa.

BAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAM!!!
11H30. Uma camarata cheia de paquistaneses, eu vestido de pierrot, telemóvel numa mão e uma arrastadeira na outra. 83 SMS recebidos à minha procura, 4 deles em cirílico. 18 SMS enviados, 7 deles com ameaças de morte super detalhadas para a antiga porteira do meu prédio. Os restantes, seguiram todos para a professora primária da minha filha e eram apenas vídeos meus, de cócoras, a aliviar-me no meio da Rotunda do Relógio enquanto via o nascer-do-sol.

Vá… não terá sido bem assim mas foi mais ou menos isto. Isso e esta dor de cabeça que me tenta matar com guinadas lancinantes de cada vez que os meus putos resolvem partir pra gritaria.

Concentração de Faro, aqui vou eu!

2 Jun

Olá, o meu nome é Factos e acabei de andar numa daquelas motas do eCooltra. Parecia um labrego porque não sabia tirar a mota do descanso e, pior ainda, como também não consegui tirar o capacete, tive que pedir ajuda a um polícia que ia a passar e que não me auxiliou sem antes dizer “Então… já se estava a ver a dormir com isto, não é!??“. Toda uma humilhação… em frente a uma montra da EDP onde dezenas de pessoas gozavam o prato.

Ultrapassadas as primeiras contrariedades, lá fiz uma mini-viagem sem nunca passar os 45kms/h (diria que a mota não dá mais que aquilo). Larguei o bicho com a noção de que venci esta primeira batalha e sem me lembrar que, depois de usar capacete, o meu penteado pode ficar ainda mais ridículo. Estranhei a forma como as pessoas olhavam para mim e descobri porquê os primeiro reflexo da minha pessoa.

Ainda assim, estou a sentir-me um verdadeiro motard. Concentração de Faro, conta comigo!

…quer dizer, se estas motinhas chegarem ao Algarve.


PS: Senhores eCooltra, depois desta primeira publicidade grátis, um pack de minutos à pála seria extremamente valorizado. Obrigado.

Mil vezes ficar em casa.

28 Maio

Nem quero imaginar o horror que seria acordar num dia como hoje e ter que ir para o Jamor com um tempo destes. Querer acender o grelhador e ficar com a brasa molhada, comer bifanas cruas e não estar calor suficiente para beber umas fresquinhas. Ou mesmo ter que ir para casa de algum amigo para ver um jogo que devia ser de festa e afinal não passará de um lamaçal num dia chuvoso. Festa!? Com um tempo destes!?? Festa de quê!?? Coitados.

Isto quando Deus não está do nosso lado, é lixado…

#encontrarformasdeesqueceroEspíritoSanto #verascoisaspelapositiva

%d bloggers like this: