Arquivo | Uncategorized RSS feed for this section

Sim, estou a obrigar-me a escrever.

18 Jun

Não tenho nada de jeito para escrever. Talvez porque não tenha nada de jeito para vos contar. Mas sejamos honestos… por vezes também não temos nada de jeito para fazer e apanhamo-nos a ver programas na RTP2 sobre o bicho da madeira ou documentários sobre a produção em massa de frigideiras “que não agarram” (já alguém foi agarrado por uma frigideira??). Esse é o meu público! Malta sem critérios e sem problemas de tempo. É para vocês os três ou quatro. que continuo a escrever. Mas pouco.

Já espantei as pessoas que valorizam o seu tempo e têm mais que fazer? Ainda bem. Não estou aqui para maçar ninguém. Se bem que… se aqui andam… é porque os vossos “cookies in the night” e essas cenas que decidem o que queremos ver, lá devem ter achado que vocês talvez não sejam pessoas assim tão interessantes como gostariam. Suck it bitches!

Introdução feita e pronto… fica demasiado óbvio que não tenho mesmo nada para vos contar… tristeza dum raio…

AAH! JÁ SEI! Ainda se lembram de Factos Filha? Aquela que tanta história rendeu neste estaminé e a pessoa que mais usei até hoje para que achassem que afinal até tenho sentimentos e para fazer disparar a minha cotação na “fuckability scale” de mulheres que adoram um bom sensilvelzão!? Lembram-se!??? Pois é… acabou a primária e já vai para o 5ºano. Emocionante, não é? Ainda ontem era um bebé de colo e agora tem vergonha que a abrace no portão da escola… (esta merda não interessa ao menino jesus, eu sei…).

Tirando isso… ora bem… mundial e tal… chegou o calor… anda malta a curtir os Santos… cenas variadas a acontecer… e… e…

…e entretanto tenho aqui malta ao lado a chagar-me o juízo com os pedidos de merda do costume e a lembrar-me que tenho que fazer as secas que justificam o meu salário e – pior ainda – a reforçar que este estaminé nunca me rendeu um cêntimo e que parece óbvio que nunca vai render, como tal, é bom que não vacile nas tais “secas que pagam as contas”.

F*da-se. Ainda por cima têm razão.

Eu volto mas caraças… podiam criar um crowdfunding só para garantir que esta estupidez toda me pagava as contas. Aposto que se fosse para as vítimas dos incêndios, iam logo a correr. Ou para os refugiados, só porque passaram horrores para cá chegar (os que sabiam nadar, claro). Mas ajudar quem sempre esteve aqui para vocês, isso tá quieto. Custa-me ver essas prioridades todas trocadas mas enfim… é o mundo em que vivemos.

boazona

PS: Sim, recorri ao velho truque de ir à net gamar foto de “gaja boa em posição provocante mas que não tem nada a ver com o texto”, só para segurar as mentes mais porcas até ao fim. É o que fazem naqueles filmes merdosos em que não se passa nada mas não conseguimos desligar porque temos medo que a badalhocada comece logo a seguir… eu sei bem como é.

Anúncios

Factos, o influenciador #2

3 Jun

Este fim-de-semana, depois de arrumar o quarto dos miúdos (Zippy), resolvi dar um retoque à igreja cá de casa. Já há muito tempo que queria reorganizar aquele espaço mas a verdade é que – entre os jardins à volta da piscina e o hangar do avião da mais velha (obrigado TAP e Ikea pelas dicas) – ainda não tinha conseguido dedicar-me à casa do Senhor.

O “Senhor Factos”, entenda-se, porque aqui, quem paga as contas sou eu. Só identifico as marcas porque sei que precisam e como vocês compram tudo o que eu uso, gosto de lhes dar uma ajuda.

Mas desta vez, estava decidido e pus mãos-à-obra (Leroy Merlin)! Achei que um espaço daqueles precisava de mais imponência, por isso, comecei por encomendar umas torres novas com uns sinos lindos de morrer (literalmente, com o barulho que fazem). As gárgulas, escadaria, crucifixos, puxadores dos portões são da Kasa Decoração que, vão por mim, tem as coisas mailindas para renovações de igrejas. A iluminação e relógios de parede, são da Midmodlx que aceitou juntar-se a esta aventura. O eléctrico e senhor a mexer nos cabos são da Carris e a molhada de turistas (que esta estação estão super na moda) são do Turismo de Portugal. As roupas de toda a gente, comprei ontem na venda da A Pipoca Mais Doce e ficaram todos lindos de morrer! Não acham?

Se têm uma igreja desaproveitada na vossa casa dos subúrbios, façam como eu e não esperem mais tempo! Vão ver que vale a pena!

PS: É capaz é de vos sair mais caro porque ninguém dá nada para redecorar buracos na Arrentela… mas não se prendam por detalhes, o importante é fazer! Beijinhos e se precisarem de mais dicas… é só dizer!

#factosoinfluenciador #clicarparamarcas #ofertaspormensagemprivada #agoraéquevaiser #hojeaminhaigreja_amanhãovaticano #influencer #aguardocontactosparacontratos #marketingévida #seeudigo_vocêscompram

Texto que era para ser sobre maldição dos 7 anos e se transformou no melhor ensaio sobre a eutanásia que lerão hoje.

28 Maio

Diz-me o WordPress que registei este pacato pardieiro há sete anos. Sete! Na altura não sabia se ia ter paciência para escrever durante um mês. Não sabia se isto teria cliques, além dos meus e daqueles que são praticamente obrigados a ler e a ouvir a merda que digo. Não sabia sequer se mantinha este nome que, em abono da verdade, foi escolhido um pouco a despachar e depois “logo se via se mudava ou não…“. Não sabia nada. Só sabia que queria mandar uns bitaites e se alguém se juntasse à festa, melhor.

A verdade é que, mesmo sem nunca ter sido “um blog a sério”, já me diverti para caraças à pala disto. Guita que é bom, tá quieto! Mas rir… ri-me muito.

Até um programa de rádio tive! Numa rádio que fechou, é certo. Mas caraças, continuo a acreditar que não tive nada a ver com aquilo. E também fiz umas merdas engraçadas, aliás, essas ainda vou fazendo… escrever é que não.

E isso traz-nos à velha e incontornável crise dos 7 anos.

A coisa anda parada, já viveu tempos mais fulgurantes, não estimula como antes e – pior ainda – ainda me vale umas bocas porque já não sou o mesmo e não invisto nesta relação com os que nunca desistiram de cá andar. E depois sinto-me mal porque, se ainda cá andam, fico sem saber se merecem o melhor de mim ou a eutanásia (se é que há diferença entre os dois…).

Pois é, pois é… os terríveis sete anos poderão ser uma data bonita para matar isto, mandar as cinzas ao mar e fazer um vídeo bonito com restos mortais a ser levados pelo vento. E pelo mar. Ou só pelo vento, não sei. Depende do tempo que estiver nesse dia. E da proximidade do mar. Se for um sítio muito alto, acabam por ficar todas espalhadas pelas ravinas. Ou coladas às asas de gaivotas. Foda-se… gaivotas são pássaro bem nojento. Esqueçam lá isso. Já não mato isto!

Esqueçam tudo o que leram! Matar merdas dá granda trabalhão e se proscrastinei toda a minha vida, não vou agora dar uma de empreendedor da morte.

Afinal escolho viver!

chooselife2

PS: Porra… isto agora parecia uma merda contra a eutanásia e uma tentativa de mostrar que mesmo quando está tudo perdido, as coisas podem mudar. Não era. Mas se fosse, estava bem feito. Assim como quem não quer a coisa e tal… e depois, toma lá a moral da história subtilmente metida. Realmente, estaria aqui uma trabalhinho bem feito.

PS2: Se os que estão a contra me quiserem pagar, eu posso dizer que sim, que era esse o objectivo. Sou contra a eutanásia desde pequenino! Até tenho fotos minhas com o “equipamento do contra” na época 88/89.

PS3: Se ninguém pagar, nem sei bem que opinião tenho. Mas acho que sim, que é melhor eutanasiar quem quiser ser eutanasiado. Até porque esta cidade anda impossível para estacionar e se pudermos libertar espaço, acho que é para o bem de todos. Hmm… É isso! Viva a eutanásia! Acho que ainda ninguém usou o argumento do estacionamento mas quando sacarem esse trunfo, acaba-se a discussão em três tempos.

choose life3

choose life

Factos, o influenciador!

19 Maio

Cá em casa, damos muita importância ao café que bebemos. É por isso que eu e os miúdos, todas as manhãs, não saímos antes do nosso… café com cheirinho!

A marca do café pouco importa. São todas iguais e, na grande maioria, uma boa merda. Ou então são todas boas mas a minha máquina não vale um charuto. Mas com cheirinho… meu deus… com cheirinho, a vida sorri de imediato.

Os putos meio zonzos tornam-se mais fáceis de aturar e as educadoras agradecem. Eu, já meio atravessado, fico mais criativo e com paciência para as secas que me espetam no trabalho. E qualquer zurrapa, seja qual for a marca, fica melhor… se for com cheirinho.

Cheirinho pela manhã.

Não sou eu que o digo, é o mundo que o pede.

E agora vão lá comprar café com cheirinho. Se já não houver, é porque esgotou. Pode ser que assim, os directores de marketing deste país percebam quem é o maior a influenciar.

Ainda respiro!

18 Maio

A porradaria no sporting. A festa do FCP. O vídeo da Luciana. As barbaridades da “Eutanásia mata”. O viral da Laurel e da Yanni. O preto do whatsapp. A proliferação de zoofilia. O facto da minha entrevista para o Amãezónia ter disparado a minha cotação na “Fuckability Scale” de mulheres que adoram homens que usam crianças nos seus conteúdos, apenas como objectos de auto-promoção. Os convocados para a Rússia. O petróleo em Aljezur. Pornografia em geral.

Estes, entre outros temas, poderiam ser dissecados neste pardieiro com a regularidade de outros tempos. Mas não tem dado. E porquê? Porque não tenho tempo!? Nada disso.

Simplesmente porque se a eutanásia mata, a preguiça mata muito mais. E este mundo não está bom para preguiçosos. Nem para preguiçosos nem para burros. Quando ninguém queria saber de “bloggers” para nada, escrevia que me fartava. Agora que parece que até se vive bem disso… resolvi parar. Einstein!

Enfim. Tenho andado ligado às máquinas (essencialmente no instagram, porque até o cabrão do facebook me anda a virar as costas…) e com respiração assistida. Assistida a curtos bitaites nas redes, entenda-se. Mas ainda respiro. E até acho que sou menino para voltar… dizem que a vida começa aos 40 e vai daí têm razão.

Bom, já me estou a alongar e isto está a ficar seca. Só vos queria dizer que estou vivo e, um dia destes, volto. Mais forte que nunca! (ok… isto já sou eu a inventar).

Até já.

 

26 de Abril, sempre! E 27! …se der.

26 Abr

Tão importante como celebrar o 25 de Abril, é continuar a fazê-lo nos dias que se seguem, sem nunca esquecer as palavras de Salgueiro Maia, quando se virou para as suas tropas e disse:

fazemos esta revolução para que as gerações vindouras possam meter uns dias de férias colados ao feriado e não trabalhar o resto da semana!”.

Obrigado Capitães!

E agora, gritemos a uma só voz:

25 de Abril sempre! 26 e 27 sempre que der! Semanas completas é que nunca mais!!!

#DiadaManif

25 Abr

Passadeira. Eu e duas pitas. Vermelho para os peões.

Pita1: Hoje é feriado porquê mesmo!?

Pita2: É o dia da manifestação.

Pita1: Qual manifestação?

Pita 2: Aquela grande mais antiga. Por causa disso, agora fazem sempre uma manif no Marquês. É melhor não irmos por lá.

Sinal verde. Seguimos caminho.

Uma delas era bem gira. Ainda que burra que nem uma porta, sabemos como funciona o mundo. É capaz de se safar. A feia… bom, a feia está fodida.

PS1: É culpa das miúdas não saberem o que representa este dia? Claro que não! Não há hashtags de jeito; quem lá esteve não encheu o Instagram de stories; não se convidou um único influenciador para ir lá sacar uma selfie com o outfit-of-the-day; unboxing de cravos… nem vê-los. Estavam à espera de quê!? As miúdas não são bruxas…

PS2: Para não variar, as fotos foram gamadas da net e nem me dei ao trabalho de ver de quem eram, para dar os merecidos créditos.

%d bloggers like this: